terça-feira, 27 de agosto de 2013

Estimulando

Quando o médico da Alice, me disse pela primeira vez que eu deveria estimulá-la muito, eu não fazia ideia de como fazer isso. Na verdade, todos os pais devem estimular muito os seus bebês, sempre. Isso faz parte do processo de desenvolvimento dos pequenos.

Mas.. e como estimular então?

É muito mais fácil e simples do que imaginamos. Garanto que muitos pais estimulam muitos seus filhos e às vezes nem percebem. Os estímulos podem ser visuais, sonoros, físicos, sensoriais... Quando a mamãe ainda grávida, conversa com seu bebê, já está estimulando a audição do pequeno e ele poderá reconhecer a voz assim que nascer e mamãe falar com ele pela primeira vez.
Quando ao amamentar a mãe faz contato visual com seu neném, ela o está estimulando a gravar o seu rosto, o que durante algum tempo é o que ele mais vai ver. Quando ao vestir o bebê tocamos ele, fazemos carinho, massagens, ele está sendo estimulado ao toque, e já podemos ver algumas reações, como cócegas, sorrisos ou desconforto. Quando colocamos os bebês sentados ou de bruços, estamos estimulando a fazerem movimentos diferentes, tentarem coisas novas, ter outras percepções do ambiente.

Toda experiência diferente é um estímulo ao bebê. Brinquedos de diferentes texturas, tamanhos, cores e formatos. Músicas, sejam elas dos móbiles, ou nós mesmas cantarmos, ou colocar um CD e DVD e cantar também, pintura, leitura...  E os passeios então?? São estímulo puro! Ao levar os bebês ao parque, playground, passear na rua, em lojas, qualquer lugar, estamos apresentando o mundo a eles, e o mundo nada mais é do que um grande universo sensorial!!! Deixá-los tocar e pisar na grama, na areia (cuidado com isso!), na terra, na lama, enfim... é muito simples e divertido estimular um bebê, basta querer tirar aquele tempinho para se dedicar, brincar, e se divertir muito também!



Todo mundo sai ganhando...

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Alguns Esclarecimentos

Desde que coloquei o Blog no ar, há menos de um mês, eu pude perceber que algumas pessoas ficaram com uma impressão equivocada sobre os acontecimentos, o que eu considero  até normal, pela enxurrada de informações. Às vezes até eu fico confusa, pois ser mãe de primeira viagem já é uma loucura, imaginem ter que assimilar tanta informação sobre um caso tão raro de acontecer.

Mas vamos lá a alguns esclarecimentos que considero necessários:

Alice não é deficiente, nem "especial". Vejo que às vezes as pessoas buscam uma definição, um rótulo, meio que pra resumir essa situação dela. A microcefalia é uma consideração neurológica, não é uma doença, não é uma síndrome. Não tem cura nem tratamento, e sim, é feito um acompanhamento com vários tipos de terapias com a finalidade de auxiliar que a criança seja estimulada para que realize as atividades, das mais rotineiras às mais difíceis. Cada caso é um caso. Essa condição nunca é igual, cada criança tem suas características e dificuldades, seu ritmo de evolução. Pode sim, apresentar algumas deficiências em algumas áreas, como o desenvolvimento físico, a interação social, a resposta aos estímulos, o desenvolvimento intelectual. Mas isso não a classifica nem rotula como uma criança deficiente.

Nossa casa não é um quartel general, ela não é obrigada a fazer os exercícios. Engana-se quem pensa que passo o dia todo fazendo exercícios, tentando fazer com que ela aprenda a realizar os movimentos. Ela é muito estimulada sim, mas durante as brincadeiras, de uma forma suave, divertida, de modo que ela faz e nem percebe. Respeito muito os limites e o tempo dela, e quando ela começa a demonstrar que não quer mais fazer, eu paro e deixo ela fazer o que quer. Ela brinca, se diverte, faz tudo o que as crianças da idade dela fazem.

"Tadinha dela"! Tadinha por que? Eu hein, teria pena dela se a gente não tivesse conseguido um diagnóstico, ou não tivéssemos condições de proporcionar a ela as terapias e acompanhamentos necessários. Nunca medimos esforços para melhorar a qualidade de vida dela, fazemos tudo o que nos é sugerido e orientado pelos médicos que a acompanham. Não criamos ela dentro de uma bolha, como se fosse de cristal. Muito pelo contrário, a nossa luta é para que ela faça e tenha uma vida normal, como toda criança merece ter. Queremos que ela tenha todas as experiências que tiver direito, e nunca subestimamos a capacidade dela.

"Ela terá uma vida limitada". Limitada comparada a que? Só o tempo e o desenvolvimento dela nos mostrarão quais serão as suas maiores dificuldades, e o quanto ela será capaz de superá-las. Não temos como prever nada, nem de ruim, nem de bom. Nem os médicos podem prever nada. O que fazemos é comemorar cada vitória e superação dela, pois sabemos o quanto ela se esforça. Sabemos que um simples ato de sentar sozinha, coisa que qualquer criança faz com muita facilidade, teve todo um treinamento, estímulo e orientação pra que ela conseguisse fazer. Não sabemos se ela vai pra escola. Não sabemos se ela vai ser uma ótima atleta, se vai ser expert em matemática, se vai ser atriz ou uma grande musicista. Mas algum pai ou mãe aí sabe o futuro exato do filho?
Mas cada superação dela será sim, muito comemorada e valorizada. E almejamos sempre o melhor, e nos mantemos positivos em relação ao futuro dela. É pra isso que fazemos tudo o que fazemos. Os limites somos nós quem colocamos. E quem é que pode nos dizer do que seremos ou não capazes em nossas vidas?

Não adotamos uma posição de vítimas. O objetivo do Blog nunca foi nos mostrar como mártires, sofredores, ou "coitados". Apenas queremos explicar sobre os fatos para quem realmente se importa e nos acompanha, e mostrar para outras famílias que passam por isso, que existem alternativas, terapias, formas de melhorar a qualidade de vida dessas crianças e recebermos também informações sobre outros casos. Eu fico feliz quando as pessoas dizem "parabéns pela coragem", "você é uma guerreira", ou "o que você faz pela sua filha é lindo". Mas sinceramente, sem falsa modéstia, eu não acho que faço nada de extraordinário, acredito que qualquer mãe, no meu lugar, faria o mesmo. Ou deveria fazer. 

E pra quem ainda assim, duvida que a Alice seja normal e feliz, basta dar uma olhadinha abaixo...





O mais doce dos sorrisos.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Para Lilica, da prima Bia

        "É muito mais comum as pessoas escreverem, deixar recados ou recordações para pessoas especiais em suas vidas, e mais velhas, que já consigam ler e entender perfeitamente o que está ali escrito. Mas porque não escrever para uma pessoa que não anda, não fala, e nem sabe o abecedário ainda? Certo dia irão aprender e ter uma recordação de alguém que a admira muito por tudo que já passou em tão pouco tempo. Então eu vou deixar meu recadinho de coração e super especial pra Lilica!

      Em primeiro lugar, gostaria de parabenizar o papai Juliano e a mamãe Sara por terem caprichado tanto nesse bebezinho fofo e querido que fizeram. Quando recebi a visita dos papais com a Lilica em minha casa, fiquei surpresa com tamanha fofura e comportamento dela, tão quietinha, brincalhona, sem ao menos ter ouvido o choro dela uma vez. Confesso que nunca havia visto um bebê de colo tão querido como ela. Quem acompanha mais de perto, que não é tanto o meu caso, sabe por tudo que a Lilica tem que passar diariamente, já passou por vários exames e talvez por pequenas barreiras que ela conseguiu ultrapassar, mas por sorte ela tem os pais e avós mais maravilhosos e cuidadosos que ela poderia ter. Podemos notar aqui de longe o quão amada ela é por todos eles. Tão pequetitinha, tão novinha e já conquista todo mundo. 

        Sempre fui muito bem recebida na casa dos meus padrinhos que são os avós de Lilica e também meus tios, e já passei por alguns momentos especiais com os mesmos. Não tenho dúvidas de que a Lilica veio para alegrar aquela casa mais do que ela já era alegra, os pais mais babões que eu conheço. Outro ponto que não quero deixar em branco é que minha vovó e vovô, bisavós de Lilica sempre quis ter um Bisnetinho ou Bisnetinha em que pudessem ver, cuidar, pegar no colo, principalmente o Theobaldo que ama a Sara mais do que todos os netos dele. Com certeza mamãe Sara, você presenteou o vovô e a vovó do jeito que eles queriam quando trouxe a Lilica ao mundo enquanto eles tem tanta saúde pra ficar muito tempo ao lado dela. Pela distancia acredito eu que vou ver a Lilica poucas vezes durante o seu crescimento, uma vez por ano e olha lá, e o que me impede disso são as aulas, trabalho, e a distancia com certeza. Tenho bastante facilidade em cuidar de crianças e com certeza eu iria adorar ficar mais perto dela pra cuidar um pouquinho e ver ela crescendo devagar, mas infelizmente não é tão simples assim. Só quero que a Lilica e os papais babões dela saibam que independente de como as coisas vão ir correndo no crescimento dela, ela é e sempre vai ser a Lilica especial de vocês, a nossa Lilica linda, sempre muito querida, alegre, e bagunceira. Por sorte de vocês eu não moro tão perto, porque se a Lilica puxasse a prima não tem quem segure! 

        Então é isso, é um pouco complicado de escrever o texto maravilhoso, por motivos de que eu não estou ai pertinho pra saber de todas as novidades, mas quero deixar meu recadinho especial aos meus primos Sara e Ju e a priminha fofa, dizendo que eu sempre vou estar torcendo pra que tudo dê certo com vocês dois e a Lilica, e que consigam tudo de melhor pra vocês e pra ela, porque vocês dois são dois guerreiros por tudo que passaram, e terem chegado até aqui de cabeça erguida e sempre confiantes, fiquem com Deus e cuidem bem dessa pequetitinha! "


A prima com a fofurinha no seu batizado


  Beijinhos da prima Bia 

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

O Verdadeiro Amigo

Alice,

Durante a sua vida, vamos te mostrar que você terá um grande amigo, que sempre estará com você em todos os momentos, inclusive nos mais difíceis, quando você achar que está sozinha.
O nome desse amigo é Deus. Deus é Pai de todos nós, somos todos irmãos perante Ele, é o nosso Papai do Céu. Ele tem ensinamentos lindos, que papai e mamãe vão te mostrar ao longo da vida. É Deus quem nos ampara, nos protege, nos ilumina e nos abençoa. Ele nos ama do jeitinho que somos.

Quando você precisar, pode pedir ajuda a Ele. Junte suas mãos, feche os olhos e peça de maneira simples e sincera. Ele vai te ouvir sempre, mesmo quando você achar que não, ou que não vai te atender, Ele estará trabalhando no que for melhor pra você. Às vezes temos pressa, mas o tempo de Deus é diferente do nosso, e pode acreditar, as decisões Dele são sempre na hora certa. Ele conhece tudo o que levamos no coração. 

Mas principalmente  - é muito importante que você se lembre sempre disso: temos muito mais pra agradecer do que pra pedir. Deus nos dá muito mais do que precisamos. Mas nem sempre sabemos reconhecer isso. Lembre-se de agradecer todos os dias. Agradeça a sua vida, a sua família, a ter o que comer e vestir, onde morar, uma cama quentinha para dormir. Só o fato de você estar lendo isso já é motivo para agradecer, pois significa que você consegue enxergar e entender essas palavras.

Agradeça a Deus por toda a sua obra, ela está em tudo, em todo lugar, e é maravilhosa. Tudo o que existe foi criado por Ele. Admire as pessoas, os animais, a natureza, o Sol, a Lua e as estrelas. Admire e respeite tudo o que torna a nossa vida mais bonita. Ele opera verdadeiros milagres todos os dias, por todos nós.

Temos certeza que se Deus tiver lugar em sua vida, assim como Ele tem nas nossas, nunca lhe faltará nada. Ele vai te acompanhar sempre, e nunca deixe de acreditar e confiar Nele.

Filha, você foi o melhor e maior presente que Deus nos mandou, e por isso seremos eternamente gratos.

Te amo filha, muito.




Com carinho, Mamãe.


terça-feira, 13 de agosto de 2013

Ainda bem que às vezes, os médicos se enganam!

Desde que começamos a investigação sobre o que a Alice poderia ter, passamos por muitos sustos, momentos de verdadeiro terror.

Mantenho um caderno onde registro todas as consultas, exames, parecer dos médicos e resumidamente, vou explicar sobre esses momentos (os que considero terem sido os piores)...

Quando fomos na primeira consulta com o Pediatra, que começou a investigação, ele pediu alguns exames, pois viu que podia ter algo diferente. Exame de fundo de olho e raio-x do esqueleto todo pra descartar má formação óssea. Com apenas 9 dias de vida, Alice passou quase uma hora no Centro de Imagem fazendo o raio-x. Tudo certo, sem má formação e exame dos olhinhos ok também.

Voltamos ao médico com os exames na mão e ele diz que esqueceu de pedir um: o cariótipo. É um exame genético para contagem de cromossomos, para detectar alguma síndrome. Segundo o médico, poderia ser Síndrome de Down ou Síndrome de Turner (que justificaria ela ter vindo tão pequena). Esse exame demorou 2 meses pra ficar pronto e ainda teve que ser refeito, a coleta do sangue judia bastante da criança pois tem que ser feito numa artéria, não numa veia comum.
Resultado na mão, voltamos ao médico. Tudo certo, sem síndromes. Ufa... "acabou", pensamos.

Que nada. Nesse meio tempo ela teve que fazer o teste da orelhinha e não passou. -"Pode ser líquido do parto que ainda não saiu, é normal dar alteração na primeira vez que faz o teste, repetir em 20 dias", disse o médico. Teste repetido e não passou de novo. Fomos encaminhados ao Otorrino. Ele fez alguns testes no consultório e Alice não reagia, não acordava, não se assustava, não procurava a origem dos sons.

-"Ao que tudo indica, sua filha pode ter nascido surda. Hoje em dia existe um procedimento chamado Implante Coclear. Em palavras simples, é mais ou menos assim: é colocado um dispositivo eletrônico conectado ao cérebro (o chamado ouvido biônico), que vai captar o estímulo das fibras nervosas e será decodificado pelo córtex, o que fará com que perceba os sons. Ela poderá ouvir como uma pessoa normal, e provavelmente vai falar no tempo normal. Mas não se preocupe, a UNIMED paga a cirurgia."

Eu não acredito que ele falou isso. Eu estava acabando de receber a notícia que a Alice poderia ser surda e ele achou que eu estava preocupada em ter que pagar a cirurgia.

Antes de confirmarmos a surdez, seria necessário fazer o exame BERA, um exame super detalhado capaz de captar o registro das atividades do canal auditivo até o sistema nervoso central. Esse exame ainda demoraria uns 20 dias pra ser feito. Alice teve que ser sedada e confesso que não foi nada agradável ver ela toda mole, apagada, tão pequenininha e passando por tudo isso.



Preparando para o BERA


Fazendo o BERA

No final do exame, a Fonoaudióloga já disse que havia sido registrado sinais quase normais de audição, não estava 100% mas disse que parecia ser um típico caso de maturação, ou seja, o ouvido ainda estava amadurecendo e tudo indicava que iria se normalizar. O teste ainda deverá ser repetido, para acompanhamento.

Primeiro quase me matam do coração pra depois dizer que podia ser apenas o ouvindo ainda em desenvolvimento, pois ela nasceu muito pequena.

No meio disso tudo, a consulta com o Neurologista, que solicitou uma tomografia da cabeça pois ele achava que os ossos da cabeça dela já tinham se fechado, por isso a Microcefalia. Se fosse comprovado o fechamento precoce dos ossos (a conhecida moleira), Alice teria que passar por uma cirurgia para reabrir os ossos da cabeça, permitindo assim, o crescimento do cérebro e do crânio. E ela nem tinha 3 meses ainda.

Novamente ela deveria ser sedada pra fazer o exame, mas graças a Deus não precisou, pois ela dormiu como um anjo, e o exame não durou nem 1 minuto. Com o resultado na mão, fomos ao retorno no Neuropediatra da Alice, e o alívio: não seria necessário fazer a cirurgia, os ossos ainda não tinham fechado.

Alguns meses depois, o Neuropediatra solicitou uma ressonância magnética da cabeça, quando vimos que ela estava com atraso motor. Disse que poderia ser uma má formação no cérebro, ao alguma paralisia e que isso não tinha como ter sido identificado na tomografia. E lá fomos nós novamente sedar a Alice, pois dessa vez o exame levou quase 30 minutos. Muita aflição. Lembrando que nesses casos onde a criança é sedada, sempre tem o risco de parada respiratória, por isso sempre deve ser acompanhada por uma equipe preparada para qualquer emergência. Graças a Deus tudo certo, tudo bem formado, direitinho. Sem paralisia.

E recentemente, o maior susto de todos. Por algum tempo fui atormentada por um medo horrível, o Pediatra disse que suspeitava de algum grau de autismo. Pesquisamos e algumas características fechavam. Mas na última consulta com o Neuropediatra (lembram daquela que fiquei muito feliz?) ele descartou o autismo. Disse que a interação social dela é ótima, reage muito bem aos estímulos e que essas características estariam ausentes ou alteradas, se fosse autista. As chances dela ter autismo são as mesmas de qualquer outra criança. O acompanhamento será feito com muita atenção, pois quando a criança não nasce autista, pode surgir de repente, a criança se desenvolve normalmente durante alguns meses e de repente começa a apresentar os sinais. Mas graças a Deus essa hipótese está descartada. O motivo dela ainda não fixar bem o olhar, não atender pelo nome, não pedir colo, entre outras coisas, está ligado ao processo do desenvolvimento cognitivo dela, que deverá acontecer um pouco mais pra frente. Claro que ficaremos de olho, pois é muito importante que o diagnóstico seja confirmado até os 3 anos de idade, e ela por enquanto é muito pequena pra qualquer conclusão.

Problemas de visão, audição, hipotonia, convulsões, ataques apiléticos, dificuldade para comer e ganhar peso são comuns nos casos de Microcefalia. Os médicos agiram corretamente em investigar, tudo o que foi feito foi válido e necessário. Mas muitas vezes, ao invés de primeiro solicitar os exames e explicar o porquê deles, os médicos vinham com o diagnóstico quase certo, sem ter o resultado dos exames para comprovar. E por muitos meses vivemos com medo, e muito, muito aflitos.

Ainda bem que às vezes os médicos se enganam. Ainda bem que às vezes, suas desconfianças não se confirmam. E ainda bem, que como diz o Pediatra, as crianças estão sempre nos surpreendendo.

Já nos falaram que a Alice está muito bem apesar do diagnóstico, pois até agora ela não teve nenhum desses problemas. Claro que ela sempre precisará de acompanhamento, para garantirmos que tudo corra o melhor possível. E estamos acompanhando tudo atentamente, ao menor sinal de qualquer alteração, já entraremos com o tratamento necessário.

Dizem que quando temos filhos, é como ter o coração fora do peito. E posso garantir que muitas vezes, foi exatamente assim que me senti, quase que literalmente.




Cardiologista urgente pra mamãe.

domingo, 11 de agosto de 2013

Feliz Dia dos Pais!!

E hoje é um dia muito especial, dia de dar aquele abração gostoso no papai, um beijo e uma palavra de carinho. Todo dia deveríamos fazer isso, mas essas datas específicas nos ajudam de certa forma, a nos redimirmos e pararmos pra pensar nos nossos papais.

Aqui em casa temos dois paizões, o meu claro, que além de paizão se tornou um vozão coruja (vô é pai duas vezes) e meu maridinho que também é um paizão pra nossa Alice.

Perto, longe, presente, ausente, amigos, brigados, não importa qual seja a sua situação com seu pai, dê a ele a oportunidade de saber que é amado, que é importante em sua vida e que é especial.

Pode não haver mais um dia dos Pais pra dizer isso, então vamos aproveitar enquanto há tempo.

Feliz dia dos Pais para todos os Papais!!!!!




Essa singela homenagem para o papai Juliano foi feita com muito carinho pela mamãe, Alice, Dóris e Kihara.
Beijos papai, te amamos!!

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

10 Meses de Alice e Ótimas Notícias!!

Hoje nossa Borboletinha completa 10 meses!! Passa muito rápido, os 9 meses de gravidez parece que foram uma eternidade, mas agora, com a Alice entre nós, o tempo voa!!!

E para comemorarmos, temos ótimas notícias sobre o desenvolvimento dela. Hoje tivemos consulta de acompanhamento com o Neuropediatra e foi só elogios! Disse que a Alice está ótima, progrediu bastante, e que no desenvolvimento motor ela deverá superar todas as etapas. O atraso existe, mas dentro do padrão e ritmo dela existe uma evolução muito significativa. O próprio médico ficou surpreso! É felicidade que não cabe em mim!

O desenvolvimento cognitivo receberá maior atenção, pois agora vem a etapa de compreender o que dizemos, de falar, do saber, da consciência, enfim, da compreensão de tudo o que acontece a sua volta. Ela terá que continuar as sessões de fisioterapia pois está reagindo bem e sugeriu também a hidroterapia.

Estamos muito, muito felizes!!!!




Orgulho imenso de você, meu anjo.

Te amamos demais!!

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Adiantado? Atrasado?

"Meu filho já está andando!" "Meu filho já fala papai e mamãe!" 

O tempo... Como podemos saber se alguma evolução está adianta ou atrasada?
Os pais tem um costume, que digamos por aqui, feio e inconveniente. Querer comparar as coisas que seus filhos fazem, com as demais crianças, querer se vangloriar quanto aos demais.
Agora eu faço uma pergunta, como você pode assim julgar se isso está atrasado ou adiantado? Como afirmar algo sem ter em base regras, aliás, que regras?
Cada criança tem um tempo para sua evolução, seja ela, falar, andar, e tanta outras coisas, basta a nós pais, avós, dindos, tios, amigos e conhecidos respeitar o tempo de cada criança.
Seu filho falar com 9 meses, ou andar com 7 meses, não vai fazer com que ele seja no futuro um CEO da Microsoft, ou até mesmo o Presidente do Brasil. 
Se bem lembrarmos, no nosso tempo de escola, sempre teve aquele aluno que decorava a tabuada inteira, já outros precisavam ficar de castigo sem recreio, pois não decoraram. Alguns saíram da 3ª série sem saber fazer um conta de dividir, ou sem conseguir resolver um problema de matemática, mas quem sabe essa mesma criança sabia tudo sobre geografia e história. 
Aqueles que patinaram em certas etapas da vida, ou que tiravam notas baixas na escola, quem sabe hoje até mesmo são grandes empresários, CEOs, diretores ou pilotos de avião, e pode ser que aqueles que faziam tudo em "seu tempo certo" e alunos nota 10 na escola, hoje não passam de pessoas comuns e normais.

Então que tal respeitarmos o tempo certo dos nossos filhos?
Muita cobrança pode gerar a eles uma situação incomoda, um stress desnecessário.
Deixamos a eles a livre escolha dos seus fazeres e evoluções, e deixar que eles escolham seus futuros.

Que possamos respeitar os seus sonhos, aquele de ser médico, de ser veterinário, de ser caminhoneiro, de ser piloto de avião, de ser jogador de futebol, ou seja lá qual profissão for escolher.
Quando eu era criança, quando me perguntavam o que eu iria estudar, eu respondia: "vou fazer faculdade de caminhoneiro para ser igual meu tio e meu vô!", e olha só, hoje trabalho com comércio exterior, tudo haver não é mesmo? =/


Seu tempo, meu tempo, o tempo deles, qual é o certo?



Juliano Rafael Krause, o Papai da Alice


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Combatendo a Hipotonia

Uma manifestação que pode aparecer no desenvolvimento dos bebês com Microcefalia, é a Hipotonia.
A Hipotonia não é uma doença, é uma condição na qual o tônus muscular está anormalmente abaixo, reduzindo a força muscular. Ou seja, a criança pode ter pouca ou nenhuma força para se manter sentada, em pé, segurar objetos ou desenvolver qualquer movimento.

Alice não é hipotônica, começou a fazer fisioterapia assim que percebemos que ela ainda estava muito "molinha", aos 7 meses. A fisioterapia foi de prevenção e estimulação. E agora continua sendo essencial, para continuar estimulando e ajudando ela a se fortalecer. Algumas crianças podem mesmo demorar mais pra alcançar os marcos do desenvolvimento. Mas como no caso da nossa Borboletinha temos que ter uma atenção especial ao desenvolvimento e procuramos estar sempre um passo à frente das dificuldades, concordamos em iniciar a fisioterapia logo. Mesmo que algumas vezes o progresso possa parecer lento, estamos além de tudo prevenindo algum prejuízo maior no desenvolvimento.

Estamos muito felizes com o progresso que ela vem tendo, pois percebemos que força ela tem, mas tem também um pouco de preguiça, que às vezes a impede de praticar o que aprende a fazer. Por isso a hora das brincadeiras é a melhor hora pra estimulá-la, pois aí ela nem percebe que está fazendo exercícios. 

E tem coisa mais gostosa do que brincar com nosso bebê? Diversão garantida.


Já fica bastante tempo sentada e ereta


Na posição de gatinho com a cabeça levantada


Fazendo flexões, rs


Ensaiando posições de Ioga


Em pé com apoio, por alguns segundos


Segurando a mamadeira sozinha


Ela pode até demorar um pouco mais pra chegar aos marcos, mas quando chega a nossa vibração e comemoração são mais intensas, pois sabemos o quanto ela tem que se esforçar pra conseguir fazer.

Filhota, estamos muito orgulhosos de você, que vem se superando e nos surpreendendo a cada dia.
Beijinhos, querida. Te amo... 

domingo, 4 de agosto de 2013

Momento Fofura

Alice, mamãe separou fotos de um dos momentos que considero os mais serenos, o seu soninho.

Poderia passar horas olhando você dormir, sorrindo e certamente tendo os mais lindos sonhos.

Fotos assim não são difíceis de conseguir, pois você adora uma sonequinha...









O que você faz de melhor... ser fofa!

P.S.: E adivinha o que você estava fazendo enquanto mamãe escrevia esse post???

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Por que Eu?

Não, esse não é um post para reclamar.

Alguns dias antes de colocar o blog no ar, estava conversando com minha amiga e madrinha da Alice, Scheila, sobre os últimos acontecimentos em relação a Alice.

Então chegamos num ponto da conversa, sobre os questionamentos. E ela sabiamente me disse uma frase que certamente não esquecerei tão cedo. Geralmente quando passamos por uma situação difícil, nos perguntamos: Por que eu? Então ela sugeriu que eu mudasse a pergunta para:

E por que não? 

Foi ali que uma reflexão muito valiosa crescia em mim.

O que mais ouvimos nesses últimos dias foi: crianças especiais, são confiadas a pais especiais.
Eu não sei se Deus decide quais crianças serão perfeitas. Eu acredito que Ele nos confia algumas missões e nos prepara para enfrentá-las, nos dá força, alento, e a oportunidade de com elas, nos tornarmos melhores. Ele coloca as pessoas certas a nossa volta para nos ajudar. Ele nos guia, nos conforta e nos acolhe. 

Então, refletindo, encontrei as seguintes respostas: 

Por que Eu?

Porque eu a amarei incondicionalmente, todos os dias da sua e da minha vida.

Porque eu me sinto a mãe mais feliz do mundo por ter você em meus braços, ver seu sorriso, sentir seu carinho e cuidar de você.

Porque eu farei de tudo para que você tenha a melhor vida possível, com todas as oportunidades que tiver direito.

Porque eu jamais vou permitir que alguém diga a você que não é capaz.

Porque eu vou te acompanhar, te orientar, amparar e juntas viveremos alegrias imensas.

Porque confio que Deus me dará todas as forças necessárias.

Porque eu tenho pessoas muito especiais em minha vida, que me ajudarão sem pensar duas vezes, pois se doam verdadeiramente.

Porque eu sinto uma enorme gratidão por poder fazer parte da sua vida.

E principalmente minha filha, porque você me escolheu para ser sua mãe.


Tão pequenininha e mamãe já te amassava

"Um dos grandes segredos da vida é que tudo o que realmente vale a pena ser feito, é o que fazemos pelo outro."

Lewis Carroll