sábado, 27 de julho de 2013

O Dia mais importante de nossas Vidas

Descrever o que senti no dia do seu nascimento, em 09 de Outubro de 2012, é difícil. Nunca senti nada igual. Estava numa tranquilidade que eu nunca imaginaria estar (quem me conhece sabe, que essa não é, digamos, uma de minhas qualidades) naquele dia que marcaria nossas vidas. 

Tive uma gravidez muito tranquila, e sempre dizia que queria trabalhar até o último dia. E assim foi. Numa segunda-feira muito quente, na hora do almoço caminhei muito, por recomendação do médico (ajudaria no parto normal, disse ele), subi e desci as escadarias da Matriz no centro sei lá quantas vezes. A tarde, comecei a perder líquido, mas bem pouco, o que me fez duvidar se era realmente o tal líquido amniótico, que tanto ouvira falar. Mandei uma mensagem pro celular do meu médico e ele disse: - "Vai agora pra maternidade fazer o cardiotoco e o exame de toque". E lá fui eu.

Saí do trabalho, peguei o carro, muito calmamente, fui buscar meu marido na empresa onde ele trabalha, fomos pra casa, tomei banho, peguei minha bolsa e da Alice, e fomos ao hospital. Exames feitos, tudo certo, mas não tinha dilatação nem dores de contração. Apenas 1 cm de dilatação, e o líquido que estava perdendo era muito pouco. -"Pode ser que ela nasça hoje ou daqui a 20 dias. Vai pra casa, caminha bastante, sobe escada, toma banho quente que pode ajudar", disse o obstetra que me atendeu.

Eu muito obediente que sou, fui. Lembro que fiz uma última faxina no quarto, troquei a roupa de cama, revisei as coisas da Alice, recolhi roupa, pendurei outras, e ainda fui na faculdade com meu marido buscar livros que ele precisava. Tomei uns 3 banhos quentes naquela noite. Por volta das 22h começaram as dores das contrações. Leves, suportáveis e bem espaçadas. Muito tranquilo.

Claro que não dormi nada, nem tinha como. Às 2h da manhã de terça, dia 09, acordei o Juliano, pegamos tudo, e fomos novamente pra maternidade.
6 cm de dilatação. Que medo. Era chegada a hora. Finalmente eu iria conhecer a pessoinha mais importante da minha vida, alguém com quem sonhei muito, imaginei cada traço do seu rosto, e esse momento havia finalmente chegado. 

Um pouco antes das 7h, aplicaram a ocitocina, para acelerar o trabalho de parto. Agora sim, dor de verdade. -Ah meu Deus, não tem jeito, ela vai ter que sair. Eu orava o tempo todo entre uma contração e outra. O Juliano do meu lado, me acompanhando e segurando minha mão como que numa tentativa de dividirmos a dor. Não tinha como. Era uma dor só minha. E eu tinha que ser forte.

Alguns minutos de banho quente e depois novo exame de toque. 9 cm, ainda faltava mais 1. -Ai meu Deus, que dor. - "Só falta ela baixar, já está encaixada". E pensam que a bolsa já tinha rompido? Que nada! -"Vou te ajudar, vou furar a bolsa e aí sim você vai sentir muita dor. E pode demorar mais algumas horas".

Oi?!?!?!? 

Como assim, e essa dor horrível, desumana que suportei até agora?

Graças a Deus, depois disso em menos de 20 minutos a Alice nasceu.
E ela chegou, de parto natural, saudável, linda, fofa e muito, muito calminha. Como mamãe pediu a Deus.

-"Ela é muito linda, e tem a orelha bem pequenininha", disse o Juliano. "Ufa", pensei, "que bom que ela puxou isso do pai".

Não podia ter parado por aí, não, minha filha??? -"É a cara do pai"!  Diziam todos. E é verdade. Se tem uma menina nesse mundo que é quase 100% o pai dela, com certeza é você, filha.

Foi amor à primeira vista. Me senti tão disposta, tão viva, não queria perder um minuto sequer do dia. Queria acompanhá-la em todos os seus movimentos. Não me cansava de olhar pra ela. Então, pouco a pouco, muitos foram ainda no hospital, conhecer nossa Lilica.

Eu não lembro como estava o clima aquele dia, não sei quais notícias estavam passando, o que acontecia na nossa cidade, no País nem no mundo. Porque aquele dia foi somente seu minha filha, todos os minutos e segundos pra mim, só tinham importância porque você estava, finalmente nos meus braços.

E eu te olhei, você me olhou. Eu chorei, você chorou. Eu sorri e você se aninhou em mim, se aconchegando, querendo descansar daquele que tinha sido seu maior desafio até aquele momento. E você venceu, nós vencemos. 


Tentando fazer você mamar, mas estava muito cansadinha e preferiu dormir.


"Ui mamãe, não foi assim que imaginei meu primeiro banho!"


Toda trabalhada na produção pra receber visitas


Ok. Eu sei que nesses primeiros dias só as mães acham seus bebês bonitos. Fazer o que, sou uma mãe coruja assumida!

Esse dia sempre será muito especial pra mim, o mais importante. E foi maravilhoso dividir ele com você, minha pequena linda Alice.
Mamãe te ama muito.

2 comentários:

  1. Emoção é pouco para descrever essa passagem do dia 08 para o dia 09 de outubro de 2012... rsrs
    Só eu sei quão dura são as cadeiras do hospital para dormir 3 dias lá. =P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade né amor... vc acompanhou tudinho e não saiu do nosso lado... bjs, amo vc!

      Excluir