quarta-feira, 31 de julho de 2013

Novo Visual

Alice veio conferir o novo visual do seu Blog, além de olhar todos os recadinhos lindos que foram enviados pra ela.


Ok mamãe, está tudo lindo...


Muito obrigada a "Tia" Carol C. Vieira que deu uma ajudinha pra mamãe... Obrigada, de coração. 


terça-feira, 30 de julho de 2013

Com amor, Papai...

"Oi amor!

Eu ainda não havia lhe escrito nada sobre o blog, mas saiba que estou muito orgulhoso de você, das suas palavras, e nossa princesinha terá também muito orgulho do que a mamãe tem escrito para ela.
Expressar os sentimentos da maneira que você está fazendo, é uma atitude muito linda mesmo, e escrever nos dá aquele alívio, afinal "o papel" aceita tudo que precisamos expressar, sem nos restringir a nada... nele podemos expor nossa alegria, nossa tristeza, nossas lutas e todos os demais sentimentos, e com aquela sensação de alívio, de tirar um peso, ou mesmo de expressar uma grande conquista e uma grande alegria, como é o nosso caso.

Princesa Alice já começou sua vida sendo uma campeã, afinal ela disputou uma corrida com milhões, e foi ela quem chegou em primeiro lugar, foi ela que teve inteligência e foi esperta o suficiente para encontrar o lugar certo para começar a ser gerada. Então não podemos dizer jamais que ela terá atraso nenhum, ela já provou com sua própria geração, com sua própria vida o contrário a todos. 
Foi ela a mais rápida, quando partiu da cidade Papailand com destino a cidade Mamãeland, foi ela a mais inteligente e esperta quando chegou a Mamãeland e encontrou já em seguida seu lugarzinho.
E quando em seus primeiros dias em Mamãeland encontrou dificuldades em se manter viva, foi ela quem provou ser o mais resistente dos seres, lutou com garra e provou que suas forças para chegar em seu destino e realizar os seus sonhos de vir ao nosso mundo e o de construir Aliceland são enormes, e ali vimos uma guerreira, uma princesa que veio para reinar em nossas vidas, e agora além de ter construído Aliceland, ela já reina Papailand, Mamãeland e vem ai conquistando novos reinados.

Tenho muito orgulho de junto com você, ter construído essa família linda, e ainda mais de ter dado ao mundo a princesa mais linda de todas.

Tenho certeza que quando menos esperarmos, nossa pitxuquinha vai estar correndo, falando e muito mais, e isso tudo dentro das expectativas normais de uma criança.
Com fé e respeitando o tempo dela, vamos ter muito orgulho de cada evolução dela, seja no tempo que for necessário para que ela realize.

Na minha opinião ela é a menina mais espertinha, afinal ela deve fazer isso tudo só para ganhar 100% de atenção das pessoas a sua volta.
Se nem dormindo ela se entrega, então já pode imaginar o que se passa na cabeça dessa nenezinha... rsrs

Ela é e sempre será a menina mais amada do mundo!

Amo você, nossa princesa, e também nossas filhinhas adotadas!

Bjs do Papai"


Tesouros!

É muito amor 

Vivendo e Aprendendo




segunda-feira, 29 de julho de 2013

Alice, nossa Pequena Borboleta

Esses últimos dias foram muito intensos e emocionantes. O blog pra mim, não deixa de ser, uma forma de catarse. E com tanto carinho e respeito que tenho recebido, ainda sinto que preciso continuar agradecendo. Não vou citar nomes, porque não me perdoaria se esquecesse de alguém. Mas quem me escreveu sabe, que esse agradecimento é destinado a todos vocês. E vou responder aos e-mails e mensagens que ainda não consegui. Faço questão.

Minha tia e madrinha Paula, me mandou um e-mail mais que especial, cheio de ternura (como sempre) e me fez refletir sobre algumas coisas muito importantes que ela escreveu. Ela falava sobre borboletas, expectativas e oportunidades. No caso da borboleta ela falava de mim, mas pude perceber que hoje enxergo a Alice exatamente assim, como uma Borboletinha.

No processo de transformação da borboleta, em dado momento, ela se fecha em seu casulo e só sai de lá quando estiver pronta para voar. Não se pode esperar que o processo seja mais rápido, pois isso tiraria muito da beleza final dela. Não se pode romper o casulo, pois isso não a deixaria fortalecer suas asas. É importante e extremamente necessário que ela complete esse ciclo, para que ao final, possamos contemplar sua beleza e exuberância, vendo-a alçar voo. Apesar de sua aparente fragilidade e delicadeza, as borboletas são capazes de atravessar oceanos!

Então me vi, refletindo sobre esse processo, que para nós pode parecer lento, mas que para a natureza é fundamental, só assim ela poderá alcançar a perfeição.

É perfeitamente possível associar esse processo de transformação da borboleta, com o processo de transformação da Alice. Não adianta querer acelerar, nem interferir, nem manipular para que seja do que jeito que a gente quer.

Deve haver respeito ao seu tempo, paciência e muito amor para deixar que cumpra seu ciclo. Que assim, possa abrir suas lindas asas, e alçar voos muito altos, nunca antes imaginados.

É assim que vejo nossa Lilica hoje, nossa Pequena Borboleta em pleno processo de transformação. Quando for a hora, ela nos contemplará com um lindo par de asas, prontinhas para a maior de todas as aventuras: O voo da vida.



"Cada ser é único. Alice é única. Ela só é limitada se a compararmos com outras crianças, mas não é isso que devemos fazer. A ela estão reservadas outras oportunidades, outras experiências. Quantas alegrias vamos viver a seu lado!!!"

Porque nós Amamos Ler!

Se tem algo que eu vou insistir e estimular muito na Alice, é o hábito da leitura.

Desde bem novinha, a Alice foi apresentada aos livros e o mais interessante, parece que ela curte muito!! 
Ela presta atenção, olha muito atenta, toca nos livros, ajuda a segurar e às vezes até segura sozinha.

Além de divertido, é um ótimo estímulo visual, um bom momento de fazer ela se acalmar e ótimo para incluir na rotina pré sono.

Não importa se os bebês não entendem exatamente o que estamos dizendo. O mais importante é eles se familiarizarem e assim, os livros sendo uma opção sempre acessível, vai surgindo o interesse.

Existem muitos tipos, os de papel mesmo, de espuma, de plástico que podem ser levados para a banheira, os de texturas, etc. E por aqui vamos experimentar todos!




O início - muitas figuras, pouca escrita


Super concentrada


O jornal, pra ficar por dentro das novidades


O livrinho de espuma, presente dia Tia Lu Dias


Por um mundo com mais leitores e livros e menos TV .

sábado, 27 de julho de 2013

O Dia mais importante de nossas Vidas

Descrever o que senti no dia do seu nascimento, em 09 de Outubro de 2012, é difícil. Nunca senti nada igual. Estava numa tranquilidade que eu nunca imaginaria estar (quem me conhece sabe, que essa não é, digamos, uma de minhas qualidades) naquele dia que marcaria nossas vidas. 

Tive uma gravidez muito tranquila, e sempre dizia que queria trabalhar até o último dia. E assim foi. Numa segunda-feira muito quente, na hora do almoço caminhei muito, por recomendação do médico (ajudaria no parto normal, disse ele), subi e desci as escadarias da Matriz no centro sei lá quantas vezes. A tarde, comecei a perder líquido, mas bem pouco, o que me fez duvidar se era realmente o tal líquido amniótico, que tanto ouvira falar. Mandei uma mensagem pro celular do meu médico e ele disse: - "Vai agora pra maternidade fazer o cardiotoco e o exame de toque". E lá fui eu.

Saí do trabalho, peguei o carro, muito calmamente, fui buscar meu marido na empresa onde ele trabalha, fomos pra casa, tomei banho, peguei minha bolsa e da Alice, e fomos ao hospital. Exames feitos, tudo certo, mas não tinha dilatação nem dores de contração. Apenas 1 cm de dilatação, e o líquido que estava perdendo era muito pouco. -"Pode ser que ela nasça hoje ou daqui a 20 dias. Vai pra casa, caminha bastante, sobe escada, toma banho quente que pode ajudar", disse o obstetra que me atendeu.

Eu muito obediente que sou, fui. Lembro que fiz uma última faxina no quarto, troquei a roupa de cama, revisei as coisas da Alice, recolhi roupa, pendurei outras, e ainda fui na faculdade com meu marido buscar livros que ele precisava. Tomei uns 3 banhos quentes naquela noite. Por volta das 22h começaram as dores das contrações. Leves, suportáveis e bem espaçadas. Muito tranquilo.

Claro que não dormi nada, nem tinha como. Às 2h da manhã de terça, dia 09, acordei o Juliano, pegamos tudo, e fomos novamente pra maternidade.
6 cm de dilatação. Que medo. Era chegada a hora. Finalmente eu iria conhecer a pessoinha mais importante da minha vida, alguém com quem sonhei muito, imaginei cada traço do seu rosto, e esse momento havia finalmente chegado. 

Um pouco antes das 7h, aplicaram a ocitocina, para acelerar o trabalho de parto. Agora sim, dor de verdade. -Ah meu Deus, não tem jeito, ela vai ter que sair. Eu orava o tempo todo entre uma contração e outra. O Juliano do meu lado, me acompanhando e segurando minha mão como que numa tentativa de dividirmos a dor. Não tinha como. Era uma dor só minha. E eu tinha que ser forte.

Alguns minutos de banho quente e depois novo exame de toque. 9 cm, ainda faltava mais 1. -Ai meu Deus, que dor. - "Só falta ela baixar, já está encaixada". E pensam que a bolsa já tinha rompido? Que nada! -"Vou te ajudar, vou furar a bolsa e aí sim você vai sentir muita dor. E pode demorar mais algumas horas".

Oi?!?!?!? 

Como assim, e essa dor horrível, desumana que suportei até agora?

Graças a Deus, depois disso em menos de 20 minutos a Alice nasceu.
E ela chegou, de parto natural, saudável, linda, fofa e muito, muito calminha. Como mamãe pediu a Deus.

-"Ela é muito linda, e tem a orelha bem pequenininha", disse o Juliano. "Ufa", pensei, "que bom que ela puxou isso do pai".

Não podia ter parado por aí, não, minha filha??? -"É a cara do pai"!  Diziam todos. E é verdade. Se tem uma menina nesse mundo que é quase 100% o pai dela, com certeza é você, filha.

Foi amor à primeira vista. Me senti tão disposta, tão viva, não queria perder um minuto sequer do dia. Queria acompanhá-la em todos os seus movimentos. Não me cansava de olhar pra ela. Então, pouco a pouco, muitos foram ainda no hospital, conhecer nossa Lilica.

Eu não lembro como estava o clima aquele dia, não sei quais notícias estavam passando, o que acontecia na nossa cidade, no País nem no mundo. Porque aquele dia foi somente seu minha filha, todos os minutos e segundos pra mim, só tinham importância porque você estava, finalmente nos meus braços.

E eu te olhei, você me olhou. Eu chorei, você chorou. Eu sorri e você se aninhou em mim, se aconchegando, querendo descansar daquele que tinha sido seu maior desafio até aquele momento. E você venceu, nós vencemos. 


Tentando fazer você mamar, mas estava muito cansadinha e preferiu dormir.


"Ui mamãe, não foi assim que imaginei meu primeiro banho!"


Toda trabalhada na produção pra receber visitas


Ok. Eu sei que nesses primeiros dias só as mães acham seus bebês bonitos. Fazer o que, sou uma mãe coruja assumida!

Esse dia sempre será muito especial pra mim, o mais importante. E foi maravilhoso dividir ele com você, minha pequena linda Alice.
Mamãe te ama muito.

Qual palavra vai além do "Obrigada"?

Nossa, quando resolvi colocar o blog no ar, eu não imaginei que teria um dia tão intenso.

Algumas vezes eu ficava me perguntando: - "Como as pessoas vão reagir a isso tudo? Terão pena da Alice? Se afastarão? Ficarão indiferentes a ela? Vão torcer o nariz para o desconhecido?".
Pra mim, sinceramente, o mais difícil de aceitar, seria o sentimento de pena. A NOSSA ALICE É MUITO CAPAZ! ELA É UMA VENCEDORA DESDE QUE NASCEU!

A bem da verdade, é que sentimos um pouco de medo e receio de como as pessoas reagiriam a essas informações. Medo de acharem que estamos expondo demais nossa filha, receio das atitudes que as pessoas teriam. Com tanto carinho e amor, só pensamos em fazer o bem a ela. E é isso o que mais importa pra mim, que as pessoas entendam.

Pois bem, vocês me surpreenderam. Não tem como não se emocionar com tanto carinho, palavras doces, sentimentos sinceros, apoio, acolhimento e muito, muito amor por nossa linda Alice. Sem contar toda a energia positiva, os desejos de saúde, paz, força, sucesso e tudo o mais que vocês, nossos amigos e familiares, nos disseram hoje. Cada recadinho, mensagem, pelo face, e-mail ou mesmo aqui, no blog, me tocou profundamente. Eu gostaria de agradecer a cada um, e juro que tentei responder a cada mensagem, se faltou alguma, por favor, me perdoem. Mas depois desse dia muito emocionante, eu queria dizer algo além de obrigada, mas qual seria essa palavra? 

Estou muito feliz, de verdade.

Mas gente, não posso deixar de dar o devido valor a uma pessoa que é sem dúvida, uma das mais importantes da minha vida. Responsável por boa parte da pessoa que sou hoje. Meu pai.

Vocês não imaginam o quanto me emocionei. Nunca vou conseguir explicar. Vou postar aqui a mensagem que ele me mandou por e-mail, pois passa 3 semanas viajando e 1 em casa, com nossa família.

"Querida filha,
 Hoje eu acho que foi o dia mais feliz da minha vida. Eu me sinto o pai mais orgulhoso desse mundo. Não te liguei porque tenho certeza que não iria conseguir falar com você sem chorar. Quando vi o blog da Alice, tive a certeza de que  ela nunca poderia ter nascido de outra mãe, parabéns por sua coragem. Nossa vida e a da nossa Alice vai ser maravilhosa, porque ela vai ser muito, muito amada, para mim ela é muito especial, porque eu simplesmente acho ela a menina mais inteligente desse mundo, algumas coisas que ela faz e o carinho com que ela nos trata, só poderia vir de uma pessoinha especial. Ela é maravilhosa e apesar de que ela talvez não faça ou não demonstre atitudes normais em outras crianças, as outras crianças também nunca farão ou terão atitudes que só nossa Lilica é capaz de nos transmitir. Ela será muito melhor em outras coisas, ela nos dará grandes lições e nos fará os pais e avós mais felizes do mundo, porque ela é simplesmente especial e não haverá jamais uma menina igual ou melhor do que ela.  Não vejo a hora de estar junto de vocês, abraçar você e ela,  porque depois dela, eu sinto que sou outra pessoa. Desde que ela chegou,  não foi só sua vida e do Ju que mudou, mas a de toda nossa família. Hoje somos todos melhores, ela nos uniu, eu, você, o Ju, sua mãe, seus sogros, a oma, o opa e todas as demais pessoas que fazem parte da vida dela. Hoje ela é o nosso mundo e  já nasceu com esse dom, o de fazer de nós,  pessoas diferentes e especiais. Ela, com seu jeitinho, nos conquistou e dominou, e vai ser assim pelo resto de nossas vidas. Amo vocês, até amanhã."

Preciso dizer mais alguma coisa?





Realmente, devo ser uma pessoa muito abençoada e querida por Deus, pra ter tanta gente especial na minha vida.

Hoje durmo com o pensamento em todos vocês, pelo carinho maravilhoso que nos proporcionaram.


sexta-feira, 26 de julho de 2013

Itália x Holanda

Qual foi a minha surpresa ao ler um texto lindo e que diz e exemplifica tudo o que nós, mamães de bebês "diferentes" sentimos.

Vale a pena tirar 3 minutos pra leitura.


Bem-vindo à Holanda

Sempre me pedem para descrever a experiência de ter uma criança com uma inabilidade – para tentar ajudar aquelas pessoas que não compartilharam dessa experiência original, para que possam compreender como se sentiriam. É como esta imagem:

Quando você está indo ter um bebê , é como planejar uma fabulosa viagem de férias à Itália. Você compra um guia de viagem e faz planos maravilhosos. O Coliseum, o David de Michelângelo, as gôndolas em Veneza. Você aprende algumas frases acessíveis em italiano. É tudo muito emocionante! Após meses esperando ansiosamente, o dia chega finalmente. Você faz suas malas e vai. Muitas horas depois, o avião aterriza. O comissário de bordo entra e diz: Bem- vindos à Holanda! Holanda?Você disse Holanda, o que significa bem-vindo à Holanda? Eu comprei uma passagem para a Itália! Eu só posso imaginar que eu estou na Itália.Toda a minha vida eu sonhei em ir para a Itália! “Mas é que houve uma mudança no curso do vôo”. Chegamos na Holanda e aqui você deverá permanecer. A coisa mais importante é que não te levaram para um lugar horrível, repugnante, sujo e cheio de doenças. É apenas um lugar diferente .

Assim você deve ir comprar novos guias de viagem. Você deve aprender uma língua inteiramente nova. Você vai encontrar-se com novos grupos de pessoas inteiramente novos que você nunca pensou em encontrar. É apenas um lugar diferente.

O progresso é mais lento do que na Itália, menos ofuscante do que Itália. Mas depois você olha em torno, trava a respiração e começa a observar que a Holanda tem moinhos de vento, a Holanda tem tulipas, a Holanda tem até mesmo Rembrandts. Mas todo mundo que você conhece está ocupado indo e vindo da Itália e se vangloriam sobre o tempo maravilhoso que eles tiveram lá. E para o resto de sua vida, você dirá, “Sim é onde eu sonhei ir. O lugar que eu tinha sonhado em ir.”

E a dor daquela vontade você nunca perde, você sente sempre, porque a perda desse sonho é uma perda muito significativa. Mas se você passar a sua vida inteira lamentando o fato de que você não foi à Itália, você nunca estará livre para apreciar as coisas muito especiais e encantadoras da Holanda!”

Autora: Emily Perl Kingsley


Claro que muitas vezes me pego pensando na Itália, em como tudo seria mais fácil se "estivéssemos" lá. Mas aí, paro, penso, reflito, vejo meu anjo de olhos azuis e cabelos loiros cacheados, sorrindo com os 3 dentes mais lindos que eu já vi e digo:

-Como é maravilhoso pode conhecer a Holanda!





Feliz da vida, de pernas pro ar.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Alice e sua batalha com a Comida

Desde que nasceu, nossa gatinha deu trabalho pra comer. Fazer ela mamar foi difícil, pois era tão pequenininha que não tinha muita força, cansava e dormia sem mamar direito. Não teve jeito de mamar no peito, foi logo pra mamadeira.

Também tem muita dificuldade em ganhar peso, está abaixo do ideal pra idade, mas ela é muito saudável e ativa. Faço acompanhamento de peso dela semanalmente, pois se vemos que não há muita evolução, logo trocamos de "tática" pra que ela se mantenha saudável.

O tempo passou, tudo melhorou, e veio a inclusão dos alimentos sólidos. Outra luta.
Demorou, mas ela começou a aceitar a comida, as frutas, papinhas salgadas, sucos, etc.

Mas de vez em quando, a danadinha cisma que não quer comer e não tem jeito!! Algumas vezes é a comida, outras a mamadeira... enfim, é sempre uma batalha.

Essa semana simplesmente não quer mais comer salgado. Variamos bastante o cardápio dela, mas não tem jeito.
A mamãe aqui fica doidinha da Silva e Souza.

O médico já nos disse que isso é uma característica dela, e que não devemos nos desesperar e tentar relaxar.

Mas que mãe, me digam, consegue não se preocupar vendo o filho não querer comer?

Portanto, aceito sugestões. Se alguém passou por algo parecido e encontrou a solução, ficarei feliz de tentar também.


Aqui na época das vacas gordas, rs.. quando ela come que é uma beleza...


Já quer segurar a colher sozinha, e coloca direitinho na boca


E lá vou eu pra outra batalha, hora do mamá!

quarta-feira, 24 de julho de 2013

O que está acontecendo agora?

Bom, hoje vou falar um pouco sobre o que estamos fazendo no acompanhamento da Alice.

Ela faz fisioterapia há quase 3 meses, duas vezes por semana. Essa fisioterapia é para estimulá-la e também para fortalecê-la.

São sessões de 30 minutos (mais do que isso deixa os bebês muito cansados e irritados) e ela particularmente, não gosta muito. Faz os exercícios chorando, isso quando não resolve que a hora da soneca profunda é justamente durante as sessões, rs.


Abaixo uma foto da sua primeira sessão, com 7 meses.





Mas ela está evoluindo, devagarinho. Já senta, mas não 100% sozinha e ainda estamos trabalhando na postura e equilíbrio. Também já fica na posição de gatinho, se balançando pra frente e pra trás, treinando para engatinhar. Além disso, começou a ficar mais firme em pé, sempre segurando em nossas mãos.

Em casa ela recebe muitos estímulos, de todos os tipos. Nossa rotina é basicamente brincar (que é onde são feitas as estimulações), dançar, ouvir música, andar de motoca, fazer pintura, ler historinhas, brincar com as cachorras, enfim, tudo o que a nossa imaginação nos permite fazer.

Em breve ela fará uma avaliação com cardiologista e teremos uma segunda opinião de outro neuropediatra.

A seguir, ela na sua motoca, toda exibida, rs, no cavalinho e  fazendo exercícios na bola.






É muita fofura, não?
Mamãe te ama muito, doçura.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Música para nós duas

Ouvi essa música e me identifiquei na hora, com a letra.
Dedico ela ao meu anjo mais lindo, minha Alice.

Filha, espero que goste tanto quanto eu, e quando precisar, quando se sentir triste ou sozinha,  pense nessas palavras com carinho.





Intuição

Jovem garota, não chore
Eu estarei com você quando seu mundo começar a cair
Garotinha, está tudo bem
Suas lágrimas irão secar, você logo será livre para voar

Quando você está salva em seu quarto, você tende a sonhar
Com um lugar onde nada é mais difícil do que se vê
Ninguém nunca quer ou se importa em explicar
No que uma dor no coração pode trazer ou significar

Quando não há mais ninguém, olhe dentro de você mesmo
Como seu mais antigo amigo, apenas confie na intuição
Assim você encontrará sua força que irá guiar seu caminho
Se você começar a aprender a confiar na sua intuição

Jovem garota, não esconda
Você nunca mudará se apenas fugir
Garotinha, apenas aguente firme
E logo você verá seu dia mais brilhante

Agora num mundo onde a inocência é rapidamente clamada
É tão difícil se manter no chão quando se tem tanto medo
Ninguém estende uma mão para você se segurar
Quando se está perdida por fora olhe dentro de sua alma

A vida é uma jornada
Pode levar você a qualquer lugar que você escolha ir
Contanto que você aprenda
Você vai achar tudo aquilo que você precisará saber

Seja forte
Você consegue
Apenas não desista porque
Ninguém pode parar você, você sabe disso, estou falando com você

Jovem garota, não chore
Eu estarei com você quando seu mundo começar a cair

A letra original é em inglês, e é a música The Voice Within da Christina Aguilera.

domingo, 21 de julho de 2013

Sobre os Sentimentos

Falar, escrever ou tentar explicar os sentimentos não é uma tarefa muito fácil. Confesso que às vezes sou melhor na escrita.

Ter um filho diferente, com algumas limitações e deficiências, gera em toda mãe ou pai, em algum momento, o sentimento da revolta. Eu me revoltei muito, não aceitava, não entendia, questionava muito (e ainda questiono). Algumas pessoas muito próximas  a mim sabem disso (não é Cynthia?), outras não perceberam. Muitas vezes, tentamos mascarar o que sentimos, isso serve inclusive, como proteção. 

Mas também é muito libertador poder falar o que sentimos, confiar nossas aflições a alguém, dividir, colocar pra fora, extravasar, falar o que realmente pensamos.

A pior parte, desse processo de aceitação, é aceitar que nem tudo é como desejamos. Nem sempre, o nosso melhor será o suficiente, e que algumas situações, definitivamente, não podem ser mudadas.

Todas as mães, todas, sem exceção, desejam filhos lindos, perfeitos, inteligentes e com bochechas rosadas, esbanjando saúde. Minhas orações, sempre foram e continuam sendo, para agradecer e pedir saúde pra minha filha. Depois que temos filhos, entendemos melhor porque sempre desejamos saúde para as pessoas. No fim, é tudo o que importa. O resto é efêmero.

Lidar com toda essa turbulência, definir exatamente o que sinto é muitas vezes, muito difícil. São muitos sentimentos ao mesmo tempo, medo, angústia, preocupação, impotência... mas olhar nos olhinhos da minha Alice, vê-la abrir aquele sorriso lindo, é impossível não sentir alegria, esperança, e muita,  muita fé. Fé em dias melhores, de muitas vitórias, conquistas e sonhos realizados.

Quem nunca desejou, em algum momento da vida, mediante um período difícil, ter o poder de saber, se no futuro tudo ficará bem. Se conseguiremos, após muitas provações, o final feliz que tanto desejamos. Como somos desprovidos desse poder, o que nos resta é termos fé, confiança e otimismo.

Com muita fé, esperança e muito, muito amor por ela, teremos a vitória! Nossa passarinha irá alçar voos muito altos, muito além de nossas expectativas.

Filha, mamãe sempre estará ao seu lado, pra te ajudar, orientar, amparar, e amar muito! Você é um presente de Deus em nossas vidas. O mais belo e precioso de todos os presentes que já recebemos e por isso, somos muitos gratos.

sábado, 20 de julho de 2013

Um resumo até o diagnóstico

Bom, algumas pessoas vem acompanhando a nossa trajetória desde que a Alice nasceu. 

Ela nasceu muito pequenininha, com 44 cm e 2.850 kg. O peso não foi dos piores, mas o comprimento chamou a atenção dos médicos, pois eu meu marido somos altos e ela nasceu no tempo certo, de 38 semanas e 1 dia. Quando o bebê é prematuro, é normal que venha mais miudinho, mas não foi o caso dela. Mesmo o meu obstetra tendo nos informado nas últimas consultas que ela seria um bebê menor, ela chamou atenção quando nasceu.

Fiz o meu pré-natal direitinho, fui acompanhada por um ótimo médico, que sempre me passou muita segurança. Fiz muitos exames, muitos mesmo, e apesar da ameaça de aborto no início da gravidez, com 5 semanas, tudo correu normalmente depois disso. Nada indicava que a Alice poderia ter qualquer problema ao nascer.

O primeiro Pediatra que a examinou, ainda no hospital, não comentou absolutamente nada sobre ela ser pequena. Bom, eu não gostei dele, achei que mal olhou pra neném, e ainda bem que resolvemos procurar outro.

Então o segundo médico nos explicou sobre o quanto era importante investigarmos, fazermos exames, pois achava que poderia haver algo de errado, inclusive alguma síndrome.

Exames feitos, resultados normais, fomos ao neuropediatra que nos deu o diagnóstico: MICROCEFALIA de causa, por enquanto, desconhecida.

Microcefalia é uma condição neurológica em que o tamanho da cabeça é menor do que o tamanho típico para a idade do feto ou bebê. Também chamada de Nanocefalia, constitui-se no déficit do crescimento cerebral, quer pelo pequeno tamanho da caixa craniana, quer pelo diminuto desenvolvimento do cérebro. A microcefalia pode ser congênita, adquirida ou desenvolver-se nos primeiros anos de vida.

Então, nove meses, 15 médicos, muitos exames, sustos, erros e acertos depois, me sinto mais a vontade para falar do assunto.

O nome é horrível, assusta mesmo. O neuropediatra não nos deu muitas informações, apenas que ela estava com atraso no desenvolvimento motor (aos 7 meses) e indicou fisioterapia, que ela faz até hoje. Também disse que deveríamos aguardar, pois o que podíamos fazer já estávamos fazendo. Só o tempo dirá o quanto a Microcefalia vai influenciar no desenvolvimento psicomotor dela. Ela terá a mesma idade cronológica das outras crianças da idade dela, mas será um desenvolvimento um pouco mais lento, por isso, a importância da fisioterapia e futuramente fonoaudiologia e terapia ocupacional.

Ao pesquisar sobre o assunto, confesso que me desesperei. As informações erram terríveis, inclusive sobre a expectativa de vida. Nada muito conclusivo, pois cada Microcefalia é diferente, e cada criança tem suas características próprias, reagem de uma forma.
Assim, eu pude perceber, que a Alice está indo muito bem, comparada a outras crianças com o mesmo problema.

Quem a conhece e até agora não soube, com certeza vai dizer: -"Nossa, mas nem parece que ela tem algum problema!"

E realmente, a microcefalia, no caso da Alice, que não tem relação com nenhuma outra anormalidade física, pode passar despercebida, pelo menos agora, enquanto ainda é pequenina.

Aos poucos, explicarei todo o processo que ela passou e que ainda passará, não quero deixar esse primeiro post muito longo.

Abaixo uma foto da fofura, logo que nasceu.





Me apaixonei completamente, no primeiro minuto em que a vi

Um beijo, e até a próxima.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Bem vinda, Alice!

Como este blog é dedicado à nossa filhota Alice, nada mais justo do que nesse primeiro post, dar boas vindas à ela!

Filha, você foi muito desejada, amada desde o primeiro minuto em que descobrimos que você estava a caminho. Toda nossa família esperava ansiosamente pra te conhecer. Nossos amigos mais próximos participaram de muitos dos preparativos para a sua chegada. Tudo foi feito com muito amor e carinho, para te recebermos da melhor forma possível.

Seja muito bem vinda, minha filha! Aqui em seu blog, em nossas vidas, e a esse mundo onde, juntos vamos caminhar, aprender, nos superar, vibrar, chorar, nos alegrar, louvar, e sobretudo, te amar muito!

Você é o maior presente que já recebemos, o mais belo e precioso.

Te amamos hoje, e sempre. Pra sempre.

Abaixo, algumas fotos de momentos importantes, enquanto aguardávamos sua chegada.


Barriguinha começando a aparecer


Quando você nos deixou ver que era menina



O primeiro dia dos Pais


Seu chá de bebê foi um arraiá muito divertido!


14 dias antes de você nascer


Além de tudo, ainda falta dizer uma coisa: Obrigada por me escolher pra ser sua mãe.